Termelétricas podem ser acionadas para garantir abastecimento de energia no NE

Cerca de 90% da energia consumida pelo Nordeste vem da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia, que atualmente opera com apenas 24% de sua capacidade. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press  
Cerca de 90% da energia consumida pelo Nordeste vem da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia, que atualmente opera com apenas 24% de sua capacidade. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press

A crise energética que foi descortinada às 23h14 da última quinta-feira (25) com um apagão de grandes proporções em todo o Nordeste, Tocantins e Pará, totalizando 11 estados e um prejuízo que afetou 53 milhões de pessoas somente em solo nordestino, vai custar caro ao bolso dos brasileiros. A partir de segunda-feira (29), 33 termelétricas poderão ser acionadas para fornecer 40% da energia consumida pelos nove estados da região, cuja demanda chega a 10 mil megawatts por semana. E a fatura desta energia mais cara e poluente será rachada por todo o país.

Segundo o presidente da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), João Bosco de Almeida, afirmou na noite deste sábado (27), o objetivo é complementar o funcionamento das hidrelétricas, que atualmente sofrem risco de colapso por conta da falta de chuvas na bacia do São Francisco. A Chesf possui nove usinas na localidade.

Cerca de 90% da energia consumida pelo Nordeste vêm da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia, que atualmente opera com apenas 24% de sua capacidade. Diante de um histórico que registra dois apagões na região em pouco mais de um mês – o último foi no dia 22 de setembro -, a solução foi apelar para a energia gerada através de gás e óleo combustível. 

“A diferença entre o custo da energia gerada pelas termelétricas e das hidrelétricas será pago pelo consumidor. Ele na verdade já paga a taxa, que é uma provisão para o caso de acionarmos as termelétricas, então só vai pagar agora um adicional pela queima do gás ou do óleo”, reforçou João Bosco ao Diario.

Vale reforçar que no dia 6 de setembro a presidente Dilma Rousseff anunciou que, a partir do início de 2013, a conta de energia elétrica terá redução média de 16,2% para o consumidor doméstico e de até 28% para a indústria. O anúncio já preocupa os especialistas do setor elétrico, que apontam o risco de novos colapsos no fornecimento de energia. Em 35 dias, já ocorreram quatro em diversas partes do país.

Por ironia, o apagão que durou cerca de quatro horas teve início no mesmo dia em que o Conselho Monetário Nacional (CMN) havia decidido, em reunião, aumentar o valor da linha de crédito disponível para distribuidoras, geradoras e transmissoras de energia junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A linha de crédito passou de R$ 350 milhões para R$ 850 milhões. Os recursos extras estarão disponíveis apenas para as empresas de energia sediadas nos estados que receberão jogos da Copa de 2014.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s