Isto não é sobre um rito de passagem, isto é sobre violência

Marcha Mundial das Mulheres

Por: Débora Antoniazi Del Guerra* e Mariana Prandini Assis**

Uma jovem branca pintada de negra, carregando um cartaz com os dizeres “Caloura Chica Silva”, é exibida como prêmio, no vasto pátio de cimento, pelo bem vestido jovem branco que detém suas correntes. Do outro lado do mesmo pátio, um jovem pintado de marrom encontra-se amarrado à pilastra, enquanto ao redor dele três outros jovens brancos, um deles com bigode que remete a Hitler, se divertem fazendo a saudação nazista. Não, esse não é o script de uma peça que trata do racismo, sexismo e autoritarismo do passado. O local onde essas imagens puderam ser vistas é o Território Livre José Carlos da Matta Machado[1], na faculdade de direito da UFMG. A data, 15 de março de 2013. A ocasião, uma recepção aos novo/as estudantes.

Diferentemente do que afirmam aqueles que procuram justificá-la, a prática descrita acima não constitui um rito…

View original post mais 1.127 palavras

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s