As eleições 2014 e a luta de classes no Brasil

face

As eleições 2014 e a luta de classes no Brasil – reeleger Dilma Rousseff e aprofundar as mudanças

Vivemos atualmente um nítido cenário de acirramento da luta de classes no Brasil. Este cenário se expressa claramente nas eleições presidenciais, onde a direita brasileira constrói um severo e brutal processo de enfrentamento aos avanços sociais conquistados na última década, bem como no retrocesso que significou a nova composição da Câmara dos Deputados e do Senado Federal com o aumento de bancadas fundamentalistas e reacionárias.

No que se refere a eleição presidencial, temos claramente a contraposição entre dois projetos distintos de desenvolvimento. O primeiro deles se refere ao projeto neoliberal representado por Aécio Neves. Este projeto tem por objetivo reduzir o papel do Estado na economia e destruir os avanços sociais conquistados. Na prática ele significa mais desemprego, menos salário, menos direitos sociais e menos soberania nacional.

Por outro lado temos um projeto representado pela candidatura de Dilma Rousseff. Este projeto representa a diminuição das contradições sociais no país, maior distribuição de renda, o fortalecimento da economia local e uma política externa autônoma e popular. Na prática significa a intensificação do processo de desenvolvimento sustentado em conquistas sociais, vislumbrado no país desde 2003. Significa também a possibilidade das forças populares incidirem e disputarem os rumos do governo nacional.

Entendemos que o modelo de desenvolvimento atual não é suficiente para transformar as bases desiguais em que historicamente se desenvolveu nosso país. Reivindicamos, a partir da luta e da mobilização social, a construção de um governo de fato democrático e popular, que construa uma governabilidade de tipo social, ou seja, alicerçada numa aliança com o conjunto dos movimentos sociais e da população brasileira e não com os partidos tradicionais de centro e centro-direita e que tenha como norte fundamental a construção das reformas estruturais, articuladas a uma estratégia socialista.

Entendemos como central que o segundo governo Dilma promova a reforma política, a reforma agrária e urbana, democratize os meios de comunicação que são geridos hoje por velhas (e novas) oligarquias, faça a reforma tributária para que os ricos paguem impostos, promova a auditoria do pagamento dos juros da dívida, entres outros.

No que se refere ao tema da educação, precisamos construir uma verdadeira reforma universitária, que não só amplie as vagas no ensino superior e promova a democratização do acesso a universidade, mas que, de fato, transforme as bases desta educação, aproximando a universidade das necessidades da sociedade, democratizando profundamente suas estruturas e pensando uma formação profissional que forme sujeitos protagonistas da transformação social.

Entendemos que todo este cenário só será possível com a reeleição da companheira Dilma Rousseff presidenta.

Precisamos unir forças para combater o avanço dos setores direitistas, fundamentalistas e reacionários em nosso país, setores estes representados em seu expoente maior, o PSDB. Precisamos ter clareza na percepção de que a condição de construção da luta social no Brasil sob um segundo governo Dilma se coloca numa perspectiva propositiva, ou seja, ao invés de combatermos o retrocesso, estaremos nos colocando em franca condição de luta e de mobilização para intensificar os avanços e mudar estruturalmente a sociedade.

Por isso, conclamamos a militância da FEAB, não só a votar em Dilma no dia 26 de outubro, mas também a se engajar na campanha eleitoral, contribuindo para a reeleição da companheira Dilma Rousseff e disputando corações e mentes para uma sociedade radicalmente diferente desta.

16 de outubro de 2014

Coordenação Nacional da FEAB

Gestão 2014/2015

Sou estudante de Agronomia, Sou FEAB!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Coordenação Nacional. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s