FEAB Fortalece as relações com as organizações e movimentos sociais no Estado do MT!

O estado do Mato Grosso é contemplado por três biomas: Pantanal, Cerrado e Floresta Amazônica. Apesar da riqueza biológica, social e cultural as comunidades e povos vêm sofrendo grandes impactos devido ao modelo agropecuário e de exploração mineral adotado hegemonicamente na região.

Em decorrência desse modelo de desenvolvimento do campo, o estado do Mato Grosso vem apresentando graves problemas socioambientais, sendo considerado o campeão nacional de desmatamento, desde 2009 é o campeão nacional em consumo de agrotóxicos e o Estado este sempre entre os primeiros colocados no número de trabalhadores e trabalhadoras encontrados em condições de trabalho análogo a escravidão.

Esse é também um Estado com grande potencial hídrico, o que faz com que o hidronegócio também provoque consideráveis impactos sociais e ambientais, com a exploração desse recurso natural.

Apesar da aparente naturalização do latifúndio e do agronegócio, causadores desses problemas no estado, existem diversas organizações sociais e redes que vem atuando em processos de resistência a esse modelo hegemônico e desenvolvendo experiências importantes na promoção da agroecologia. Experiências essas que vem se dando tanto no processo produtivo pensando na subsistência e reprodução familiar, quanto para acessar os mercados, sejam institucionais como o PAA e o PNAE sejam das feiras das pequenas e médias cidades do Estado.

No dia 23 de Outubro a Coordenação Nacional da FEAB, esteve no assentamento Roseli Nunes do MST, na cidade de Mirrasol d’Oeste, onde vivem mais de 330 famílias em lotes de 25 hectares para participar da solenidade da assinatura de convênio entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social –BNDES e o projeto da  Rede do Grupo de Intercâmbio de Agroecologia, coordenado pela Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – FASE. O projeto faz parte do ECOFORTE, programa de fortalecimento e ampliação das redes de agroecologia, extrativismo e produção orgânica, executado pela Fundação Banco do Brasil.

Os objetivos desse projeto vem no sentido de fortalecer as ações voltadas a agroecologia no estado do Mato Grosso, por meio da realização de ações de multiplicação das experiências agroecológicas e de produção orgânica no estado, expandindo essas iniciativas e fortalecendo a pauta da Agroecologia e o compromisso da articulação das organizações e movimentos sociais do campo com a produção e consumo de alimentos saudáveis e o fortalecimento das práticas tradicionais do campesinato.

Nesse projeto serão beneficiadas mil famílias indígenas, povos e comunidades tradicionais, assentados da reforma agrária e agricultores familiares. O financiamento permitirá a estruturação de 10 unidades de referência de produção orgânica, extrativista e de base agroecológica nos municípios matogrossenses de Cáceres, Porto Esperidião, Mirassol D’Oeste, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Juína, Claudia, Lucas do Rio Verde e Poxoréu.

Fortalecer as relações com os movimentos sociais, ontem, hoje e sempre!

Globalizemos a LUTA, globalizemos a ESPERANÇA!

Esta entrada foi publicada em Coordenação Nacional. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s